domingo, novembro 16, 2008

Pedro e o Lobo


O Manuel (faz hoje dois anos) obriga-me a ver em sessões contínuas esta extraordinária e negra versão do clássico Pedro e o Lobo. Aqui o Pedro é um menino de aspecto depressivo e neurótico. O avô é uma figura ambígua, um velho demasiado protector, carrancudo, por quem não se consegue ter simpatia. O pássaro é um corvo, crocitando rouco por cima das flautas de Prokofiev. Com uma asa ferida, não consegue voar. O pato não é um pato, é um ganso desajeitado e ligeiramente estúpido, o único verdadeiro amigo do Pedro. O gato é um psicopata esfomeado, a quem nem as moscas escapam. Os caçadores são maus e covardes, só se metendo com o lobo quando ele está enjaulado. E o lobo é um lobo. Não é mau, é selvagem, como todos os lobos. A música de Prokofiev, distribuída de forma descontínua ao longo do filme, estabelece a ligação com a história tradicional, aqui desconstruída de forma muitas vezes cruelmente irónica.

Também por isso esta animação polaca, vencedora do Óscar para a sua categoria em 2008, não é apenas mais uma versão da história musicada por Prokofiev. Longe disso. Quanto ao Manuel, obriga-me, repito, a ver em sessões contínuas "o pato e o covo", ou "o lobo mau". E eu não me importo nada. Não sei é se deva ficar orgulhoso por o meu sobrinho adorar de forma tão obsessiva um filme tão negro e neurótico (a Carolina, de 3 anos, recusa-se a vê-lo, lançando-me "eu assusto-me" e "tenho medo" aflitos), se seriamente preocupado. Até porque só deixa que o tire do leitor de DVD se a alternativa for um dos mais negros Tim Burton.

http://www.suzietempleton.com/pages/films/peter/filmspeter.html

2 comentários:

JB disse...

Prokofiev escreveu isso (provavelmente sabe-lo, mas vai na mesma) para iniciar crianças na música. A cada animal corresponde um instrumento e um 'leitmotif', e a história é acompanhada por um narrador.

Não conheço o filme (sabia apenas que existia) mas a versão conduzida e narrada por Bernstein é hipnótica, se puderes não deixes de a fazer ouvir à criança.

E parabéns!

:-D

André . أندراوس البرجي disse...

Caríssimo, não conheço a versão do Bernstein, mas tratarei de a ouvir, fiquei curioso! Neste filme não há narrador, até porque a história está bastante distorcida, o que o torna ainda mais sombrio, mas pressupõe-se que o espectador conheça versões narradas - de outra maneira perde-se completamente a ironia cruel que o perpassa. Ouvir as flautas a sublinhar o crocitar rouco do corvo só pode fazer-nos sorrir. Vi o teu email, a ver se hoje consigo responder. Um abraço!